Conservação de Direção Hidráulica.

Em épocas que a direção hidráulica se tornou uma necessidade e não um item opcional, cada vez mais é comum este sistema apresentar algum tipo de problema. Com o uso, o sistema hidráulico pede manutenção, caso contrário, como qualquer outra parte do veículo, pode apresentar problemas.

Quando começa aquele barulho chato ("inhééé") ao esterçar a direção, além do volante ficar mais pesado, este é um claro sintoma de desgaste de peças do mecanismo. Alguns destes sintomas podem vir acompanhados de vazamentos de fluídos pelas mangueiras da bomba que tem como conseqüência a falta de fluído no reservatório, comprometendo todo o sistema.

Óleo sujo e vencido pode ser uma das causas dos problemas, além do desgaste natural dos componentes da própria bomba hidráulica que com o tempo podem apresentar folgas excessivas. A bomba hidráulica possui diversos componentes complexos, entre eles; carcaça, (ou cabeçote), eixo, rotor, excêntrico e palhetas, mas dois deles são os principais causadores de ruídos, as palhetas e o excêntrico.

As palhetas que correm dentro do excêntrico não sobem à medida que a rotação aumenta, devido a sujeira que se deposita nestes componentes. Com isso, formam-se bolhas de ar entre as palhetas e a carcaça da bomba, surgindo o conhecido "inhééé" quando se vira o volante, indicando cavitação no sistema (formação de bolhas), deixando então a direção mais pesada.

Geralmente quando aparecem estes sintomas, o reparo da bomba é trocado e o custo não chega a ser caro. Caso a bomba esteja muito gasta será necessário troca-lá por uma nova, podendo o custo ultrapassar os R$ 600,00 para a maioria dos veículos nacionais. Para evitar problemas, sempre verifique vazamentos no sistema e confira sempre o estado da correia e da tensão além de adotar alguns cuidados ao dirigir. Não encostar em guias e calçadas e evitar "dar batente", que consiste em manobrar com o volante no fim do curso para um dos lados.

Um item muito importante e de vital importância é checar sempre o nível do fluido e a qualidade do mesmo. Se estiver escuro e sujo o melhor a fazer é trocá-lo ou a cada 30 ou 40 mil km. Acompanhe agora algumas dicas de como cuidar de sua direção:
Comece pelo nível de fluido do reservatório. Retire a tampa e cheque o nível. Geralmente existem marcas indicando a leitura do nível com o motor quente ou frio. Para esclarecer melhor, consulte o manual do proprietário como se deve medir, pois alguns tipos de tampa tem diferentes marcas de medição.

Se o nível estiver um pouco baixo e limpo, apenas complete. Use sempre o fluido indicado pelo fabricante. Se o fluido estiver escuro e sujo troque-o. Agora se o nível estiver muito baixo, pode haver vazamentos. Acompanhe o curso das mangueiras em busca de vazamentos, caso o vazamento esteja nas conexões das mangueiras com a bomba, geralmente é de fácil solução. Quase sempre o vazamento ocorre na mangueira de alta pressão e um simples reaperto na conexão ou abraçadeira resolve. Já se o vazamento estiver na caixa de direção ou no eixo da bomba, o conserto deve ser feito em uma oficina especializada.

Além de desfrutar das qualidades e comodidades desse sistema você também estará economizando tempo e dinheiro. Se você seguir essas dicas de manutenção, provavelmente você não deve ter maiores problemas com o sistema hidráulico.

Manutenção da Direção Hidráulica.

Quantas vezes você já verificou o reservatório do sistema de direção hidráulica? Muitos desconhecem isto e talvez nem saibam que existe um componente rotativo que faz a gerência deste óleo no sistema e que é muito sensível à falta de óleo. Para comprovar, em ponto morto, esterce o volante de seu carro e confira no conta-giros que haverá uma ligeira queda no ponteiro. Para entendermos que a manutenção é extremamente necessária, é preciso entender que há nesse sistema:

  • mangueiras: que fazem o transporte do óleo para a caixa de direção e de volta ao reservatório
  • braçadeiras de ferro que selam o sistema;
  • conexões metálicas, já que é um sistema de alta pressão;
  • orrings: são pequenos anéis de borracha que evitam vazamentos;
  • partes metálicas móveis – como o pistão que movimenta a cremalheira;
  • cilindro que recebe a pressão do óleo;
  • bomba rotativa, submetida ao motor, que necessita estar constantemente lubrificada, o coração da direção hidráulica.

Quando há vazamento de óleo na caixa de direção, esse lubrificante pode danificar partes que necessitam de intensa lubrificação, como mangotes e conexões metálicas. Partes da suspensão que estão próximas à caixa e que recebem este vazamento diretamente, também sofrem incrivelmente.

Mas o pior que pode acontecer é uma falta de lubrificação na bomba rotativa, o que causará um barulho incômodo que irá, com o tempo, danificar a direção hidráulica, a enrijecendo. E o mecanismo pode travar causando a parada de todo o sistema, deixando o carro quase impossível de ser controlado. Portanto, ao acordar em um sábado pela manhã, no momento de verificar óleo do motor, a água do radiador, ou mesmo antes de lavá-lo, dê uma atenção aos outros sistemas que levam lubrificante como freios e direção hidráulica.